terça-feira, novembro 18, 2008

Oprê

Novamente problemas.
Agora a porra do chuveiro que pifou, ou foi a fiação?
Também, a semanas tomando banho e um perfume de fio queimado ao fim do banho. Fazer o que? Peguei a cadeira do meu quarto. Cadeira quebrada. Levei esse projeto de cadeira ao banheiro, subi, fuçei, poeira, espirrei, desliguei a chave geral e retirei o chuveiro.
Olhando, vi os fios queimados, um puta cheiro ruim, que vai impossibilitar a continuidade de meus banhos.
De ontem pra hoje, banho de balde. É foda. As coisas quando caminham de um jeito estranho, e eu nos últimos anos, ando fazendo um enorme esforço para não baixar a guarda e ficar resmungão. Mas em certos momentos, dá uma vontade de jogar tudo pro alto. Pegar um ônibus a qualquer lugar e tacar o foda-se completamente.
Final de semana passado, no sábado, fui almoçar com meus pais. A noite, eu estava bêbado pensando sobre as cenas que eu tinha visto. O amor dos dois velhos. Não costumo falar de muitas pieguices aqui, ao menos nesta época não. Mas foi foda ver meu pai abraçando minha mãe e dizendo asneiras a ela. Eu nem me lembro do que dizia, o que me marcou foi a expressão de ambos e o gosto do café expresso com leite que ele tinha pago à ela, que eu pra variar serrei.
Nessa mesma noite eu fiquei recordando uma música dos Racionais Mc´s. "Tô ouvindo alguém me chamar", num determinado trecho Mano Brow diz, (algo assim não me lembro ao certo)
"-Tem algumas que você não vê, monte de criança na rua, o vento na cara, as estrelas a lua".
Eu fiquei com essa impressão, esqueci do que falavam e eu ria das frases proferidas.
Eu amo eles. E minha irmã também.
Os significados vão se construindo estranhamente, ficar caminhando com meus pais pelo centro da cidade. Escutando o resmungar dos dois, e eu a torrar o saco da minha irmã... Ah sei lá...A vida é louca mesmo. Incrível como mudamos com o passar dos tempos.
Me disseram que eu era hipócrita, e por isso que era bom. Ou melhor, que eu mudava de posicionamentos. Eu fico feliz. Fico feliz por poder ser eu e mudar a fim de tentar enfiar um sorriso em meu rosto. Eu mereço isso.
Vocês todos sabem que sim.
Afinal de contas, chegamos até aqui e não vamos largar o osso facilmente.
O chuveiro está para ser arrumado. É aniversário do meu velho no sábado. E meu time ainda vai jogar sem minha presença. A virilha incomoda.

Até

Um comentário:

Lucas Lopes disse...

O chuveiro ainda está quebrado, meu corpo está grudento, mas eu prefiro pensar em outras coisas, detalhes como vc mesmo disse, que fazem diferença nesses dias cinzas e confusos que sido frequêntes na vida de todos nós. Não se desespere truta, as coisas tendem a melhorar.